AAL firma parceria com governo do MT em projeto de enfrentamento à hanseníase

Hanseníase: Justiça é lenta para as crianças brasileiras enviadas para “preventórios”, diz especialista da ONU
26 de outubro de 2020
A Terapia Ocupacional no combate à hanseníase: conheça a consultora da AAL que traçou estratégias para o estado do Mato Grosso
30 de novembro de 2020

O Secretário de Estado de Saúde do Mato Grosso, Gilberto Figueredo e a fundadora do Instituto Aliança Contra Hanseníase, Dra. Laila de Laguiche

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) e o Instituto Alliance Against Leprosy (Aliança Contra a Hanseníase) assinam, na próxima segunda-feira (16), um Termo de Cooperação Técnica em prol do projeto “Mato Grosso em Redes: Cuidado Integral em Hanseníase”. A assinatura do documento será às 11h, na sede da SES, em Cuiabá.

A parceria visa estruturar a rede de cuidados integrais para a hanseníase no Estado a partir da implementação de estratégias inovadores e permanentes. Por meio da parceria, uma unidade móvel de sapataria percorrerá diversas cidades de Mato Grosso. Também haverá oferta de teleconsultorias e tele interconsultas médicas desenvolvidas por médicos especialistas em hansenologia,  garantindo suporte especializado aos pacientes  e capacitações multiprofissionais para os profissionais da Atenção Primária à Saúde via Programa Telessaúde MT. 

“A atual gestão da Saúde entende que a questão da hanseníase é prioritária em Mato Grosso. Com essa parceria, o nosso objetivo é preparar e capacitar os profissionais, facilitar o acesso ao diagnóstico da doença e promover tratamento integral dos pacientes acometidos. Precisamos enfatizar que a hanseníase tem cura e é tratada pelo SUS”, explicou o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

Para a assinatura do termo, estará em Cuiabá a médica especialista e presidente do Alliance Against Leprosy, Laila de Laguiche. Após a assinatura do documento, ela segue para uma visita ao Centro Estadual de Referência em Média e Alta Complexidade (Cermac) e Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac), onde ocorrerão diversas apresentações de contextualização da hanseníase em Mato Grosso e explanação do projeto.

Na terça-feira (17), Laila viaja juntamente com uma equipe da SES para Alta Floresta, onde irá visitar o Ambulatório de Atenção Especializada Regionalizado em Hanseníase (AAER) da cidade e se reunirá com os profissionais do Escritório Regional de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde com o objetivo de discutir a hanseníase na região, tendo como foco as incapacidades físicas.

“A hanseníase é uma doença extremamente complexa, que envolve atendimento crônico, cirurgias reparadoras, sistemas de órteses e próteses, exames laboratoriais e tudo isso precisa ser regido por um sistema eficaz. A importância da parceria está em aprimorar a rede de atendimento como um todo no estado do Mato Grosso, tanto a nível municipal, regional e estadual”, pontua Laila de Laguiche.

O projeto

O projeto prevê ainda a implantação do fluxo de cuidados e o fluxo de regulação nas 16 regiões de saúde, o desenvolvimento de um software de gestão do cuidado para acompanhamento do itinerário e rastreabilidade das pessoas acometidas pela hanseníase e a criação de mais ambulatórios – atualmente existem seis.

“Precisamos formalizar um canal de teleconsultas para pacientes que não têm acesso à  especialidade dos hansenologistas. É muito importante que isso não seja conduzido na informalidade”, avaliou a presidente do instituto.

Em Mato Grosso, o projeto é coordenado pela Coordenadoria de Atenção às Doenças Crônicas e também conta com o apoio das superintendências de Atenção à Saúde, Gestão Regional Vigilância em Saúde, Atenção Especializada, Regulação, Núcleo Técnico Científico de Telessaúde-MT, Escola de Saúde Pública e as unidades assistenciais Cermac, Cridac, AAER e Escritórios Regionais de Saúde.

“O Estado tem o Cermac, Cridac e seis referências em hanseníase espalhadas nas regiões para fazer o acompanhamento oportuno daqueles casos que extrapolam o perfil de assistência de atenção primária e que necessitam de cuidados especializados, mas ainda assim é preciso continuar aprimorando os serviços prestados, tendo em vista o cenário hiperendêmico”, destaca a coordenadora de Atenção às Doenças Crônicas da SES-MT, Ana Carolina Landgraf.

A parceria

A parceria entre a SES e o Alliance Against Leprosy será vigente até o dia 16 de novembro de 2023, podendo ser prorrogado por meio de Termo Aditivo. Conforme o documento, fica sob a responsabilidade do Instituto manter o custeio mensal das teleconsultorias realizadas por médicos hansenólogos; ofertar apoio técnico e científico especializado na área de Hansenologia; custear consultorias técnicas com especialistas nas áreas de interesse do projeto quando identificadas as fragilidades para a sua execução; proceder à doação de insumos e equipamentos permanentes necessários para a reestruturação dos pontos de atenção voltados à abordagem integral em hanseníase.

Já a SES terá que prover a articulação entre as instâncias de gestão do SUS nas regiões de saúde do estado; criar condições necessárias de infraestrutura e gestão; promover articulação junto ao Telessaúde MT e à regulação; prover recursos humanos e financeiros para as gestões do Cermac e do  Cridac, além de viabilizar a execução do plano de cuidados nas regiões de saúde pela Oficina Ortopédica fixa e Itinerante.

Serviço

A assinatura do Termo de Cooperação Técnica em prol do projeto “Mato Grosso em Redes: Cuidado Integral em Hanseníase” ocorrerá nesta segunda-feira (16), às 11h, na sede da SES, em Cuiabá.

DOE|DONATE
Português